17 de mai de 2010

para ler ao som de chico buarque: trocando em miúdos
02h23


traguei um vinho seco
com fervor similar ao que quebrava taças
e pensava em braços
sobre os quais apoiei,
inútil, a cabeça
e as manhãs dolorosas
de tuas partidas.

me alimentava um vazio
amargo
que apenas cabe
aos de desejos
incontidos
e de ilusões
grosseiras.

não tive vontade
que ultrapassasse
teu corpo.

guardei inteiras
as deformidades
do pescoço,
dos vidros partidos,
das paredes dessa casa:

tem a forma
da tua ausência
a espoliação da memória.

7 comentários:

Roberto Borati disse...

bonito, muito, dona camila!

Camila Almeida disse...

às vezes os sentimentos nos parecem tão inúteis!

Lucas Buzele disse...

Estou te seguindo, Camila!
Belo blog.

:)

Beatriz Carvalho disse...

que lindos escritos menina poeta.

:)

Bia Carvalho disse...

tem um selo pra você menina poeta;
e eu estou te seguindo :)

vinicius disse...

Será que funcionou do jeito que você pretendia?
Não li ao som do chico, mas li na imaginação que a minha mente trouxe de sua voz recitando de mansinho cada palavra...

Dona Fernanda disse...

muito legal!