17 de jan de 2011

teu sopro continua
entre a boca umedecida
e a temperatura de meu corpo
impuro

(ainda minto enquanto recuso
a impressão da pele)

e venta,
para que eu exista
do que restou da chuva:

a tua atmosfera
inundada de memória
e frio