28 de set de 2010

quando a água beija a boca

não há lamento
que escorra na pele
sem que risque meu corpo.

5 comentários:

Roberto Borati disse...

muito, muito bom, camila!

e não há lamento.

Ludmila Barbosa disse...

Adorei, já estou te seguindo e te linkei no meu blog... Abraços!!!

Tiago de Aragão disse...

bonito, han?
só espero que não corte como lâmina.
mas espero que não deixe uma marca que desmanche.

Fred Caju disse...

E os lamentos podem ser como uma cicatriz: acidentalmente eternos; ou uma tatuagem: propositadamente eternos. Mas também como um risco de caneta que a água retira em seu beijo.

Márcia Leite. disse...

lindo demás!